Ações de polícias brasileira e boliviana destruíram “refinarias” e queimaram veículos de traficantes na fronteira com Rondônia

Escassez de drogas no mercado ilegal no Cone Sul motiva “mulas” a se arriscarem no tráfico

Foto: Divulgação
Anúncio

A apreensão de 29 quilos de pasta base de cocaína realizada pela Polícia Militar de Cerejeiras na noite desta segunda-feira, 29, foi resultado de várias operações realizadas nos dois lados da fronteira – no Brasil e na Bolívia.

Pelo lado brasileiro, o Batalhão de Fronteira, a Polícia Militar Ambiental e o 3º Batalhão da PM de Cerejeiras (este último apreendeu a droga) fizeram operações no rio Guaporé, monitorando do tráfico entre o país vizinho e o Brasil.

No lado da Bolívia, a força policial do país, chamada de “Policía Boliviana”, fez várias operações durante as quais foram queimados acampamentos dos traficantes. Também foram destruídas refinarias de drogas e incinerados barcos, segundo um policial brasileiro ouvido pelo FOLHA DO SUL ONLINE.

As atuações das duas polícias, a brasileira e a boliviana, causaram uma “crise” no suprimento de drogas no Cone Sul de Rondônia. A droga está rara nas bocas de fumo de cidades do Cone Sul, como Cerejeiras e Vilhena, o que motiva a ação de “mulas”, que são os traficantes responsáveis por trazer os entorpecentes para o Brasil.

Segundo o policial ouvido pelo site, a apreensão realizada pela PM causou um prejuízo ao tráfico de R$ 2,9 milhões. “O preço da pasta base de cocaína é de R$ 100 mil o quilo no mercado internacional. A droga que apreendemos tem um altíssimo grau de pureza, a ponto ficar da cor marrom e com um aspecto vidrado”, disse o policial, que tem experiência na apreensão de drogas.


Fonte: Folha do Sul

Deixe seu Comentário