Alemanha deve relaxar restrições com testes em massa

A chanceler Angela Merkel deve debater as opções de flexibilização com os 16 chefes de governo estaduais nesta quarta-feira (3)

© Shutterstock
Anúncio

A Alemanha se prepara para relaxar restrições e reabrir algumas lojas, apostando em milhões de testes para tentar evitar uma terceira onda de infecções, segundo pessoas que participaram de uma reunião parlamentar nesta terça-feira (2).

A chanceler Angela Merkel deve debater as opções de flexibilização com os 16 chefes de governo estaduais nesta quarta-feira (3).

A dirigente, que adotou uma linha dura na gestão da pandemia, reconheceu que a população deseja um retorno a uma vida mais normal.

Merkel enfrenta pressão crescente para definir um roteiro claro para reabrir o país após meses de bloqueio, com o ministro das Finanças, Olaf Scholz, se juntando ao coro.

O plano de abertura prevê que, a partir de segunda-feira (8), serão permitidos os contatos entre “duas unidades familiares”, sem ultrapassar o total de cinco adultos, não incluídos os menores de 14 anos -até agora, os contatos domiciliares são limitados a uma única pessoa externa à família.

Além disso, floriculturas, livrarias, centros de jardinagem, estúdios de tatuagem, salões de manicure e massagens também poderão reabrir.

Nas últimas semanas, o governo autorizou a reabertura gradual de escolas, após dois meses fechadas, e de cabeleireiros, com agendamento.

A estratégia também pretende testar a população em massa. Segundo a proposta, o Ministério da Saúde quer oferecer a todos os cidadãos dois testes gratuitos por semana até o final de junho.

A Alemanha já planeja testar funcionários de escolas e creches, assim como os alunos, e também está considerando fazer com que as empresas os ofereçam a seus trabalhadores presenciais.

As taxas de mortalidade e o número de pacientes em terapia intensiva vêm diminuindo desde janeiro, mas Merkel disse aos parlamentares para se prepararem para “pisar no freio” caso as infecções comecem a aumentar.

Restaurantes, bares e locais de entretenimento estão fechados desde o início de novembro, enquanto lojas e outros serviços não abrem desde meados de dezembro. Com o feriado da Páscoa se aproximando, o esboço do acordo apela aos alemães para evitar viagens domésticas e internacionais.

O país soma mais de 70 mil mortes e 2 milhões de casos -nas últimas 24h, registrou 362 óbitos e 2.274 novas infecções.


Fonte: FOLHAPRESS

Deixe seu Comentário