Jornalista que não deu conta de terminar curso de mestrado e que foi considerada depois inapta para cargo público recebeu mais de dez mil reais no Governo PSL em abril

Anúncio

A autoproclamada jornalista Victoria Ângelo Bacon foi excluída de curso de mestrado da Universidade Federal de Rondônia.

Os documentos públicos obtidos com exclusividade que o colegiado do curso considerou Victoria Ângelo Bacon reprovada após não frequentar as aulas.

Além disso, ela não obteve notas suficientes para ser aprovada em matéria.

Mesmo após sucessivos recursos, em 16/06/2015, quando já era servidora da UNIR, ela não conseguiu reverter a decisão.

Depois, como mostram os documentos, ela acabou sendo desligada do curso de mestrado em Educação Escolar.

Inaptidão para a função pública

Dois anos depois, após a reprovação por faltas e notas, ela seria, também, considerada inapta para exercer o cargo que havia sido aprovada em concurso público.

A portaria 846, de 05/09/2017, publicada no Diário Oficial da União, contém a informação que ela foi reprovada pela comissão de avaliação de estágio probatório.

O processo de avaliação apontou que a então servidora pública sequer conseguia redigir documentos, como atas e ofícios, sem inúmeros erros de português.

Filiação no PSB e participação no Governo PSL/RO

Victoria Ângelo Bacon é filiada ao PSB, partido de esquerda, como apresentou matéria exclusiva do Brasil 364.

No entanto, ocupa, desde 08/02/2019, cargo de Assessora Técnica na Secretaria de Agricultura do Estado de Rondônia, nomeada pelo próprio Governador Marcos Rocha (PSL/RO).

No mês de abril, os rendimentos da assessora técnica socialista foram de mais de dez mil reais.

Fonte: Amazoniaqui

Comentários