Não dá para vacinar o mundo a cada seis meses, diz um dos criadores da AstraZeneca

Foto: Divulgação
Anúncio

O cientista Andrew Pollard, um dos criadores da vacina Oxford/AstraZeneca, defendeu que não se pode “vacinar o planeta a cada seis meses” e que doses de reforço contínuas não são uma saída “sustentável”. Para o pesquisador, o correto seria “priorizar os mais vulneráveis”, em vez de vacinar todos os maiores de 12 anos repetidamente.

As declarações foram feitas em entrevista ao jornal The Telegraph, publicada nesta terça-feira (4/1). Na matéria, Pollard expressa que mais evidências são necessárias antes do início de uma campanha de quarta dose, que já foi adotada em Israel para idosos e profissionais de saúde.

Na avaliação de Pollard, “em algum momento, a sociedade terá que se abrir”. Ele admite, porém, que, quando a reabertura ocorrer, “haverá um período de aumento de infecções”, mas ele crê que o “pior já passou” no que diz respeito à pandemia.

O cientista, que também é chefe do Comitê Conjunto de Vacinação e Imunização do Reino Unido (JCVI), alertou ainda sobre o perigo da disseminação de informações falsas acerca das vacinas, mesmo em comentários “não intencionais”. Em sua avaliação, declarações de políticos feitas na Europa têm o poder de afetar pessoas até mesmo na África.


Com auxílio de informações via Telegraph e Pleno News

Deixe seu Comentário