O CAOS PÓS-PANDEMIA – A NECESSIDADE DE BUSCAR SOLUÇÕES AO DESEMPREGO E À FALTA DE RENDA

Imagem ilustrativa: cena de Eu Sou a Lenda, com Will Smith, também sobre epidemia
Anúncio

Por Dabson Bueno 

As consequências econômicas do novo coronavírus (COVID 19) recairão sobre todos os segmentos econômicos (empresas e trabalhadores), mas certamente causarão mais danos naqueles mais frágeis e mais desorganizados. E, dentre estes, estão os trabalhadores menos qualificados e com menor poder de pressão.

O resultado da redução da atividade econômica será o fechamento de empresas, formais e informais, o consequente desemprego e a necessidade de criar mecanismos de proteção à massa de pessoas que ficarão sem renda no período pós-pandemia.

Diante disso, a meu ver, será necessário atuar em três frentes ao mesmo tempo, de modo a mitigar o sofrimento dos trabalhadores, encurtar o tempo da depressão econômica e retomar a atividade produtiva.

primeira frente é a oferta de ajuda aos mais vulneráveis dentre os vulneráveis (bolsa de todo tipo, extensão do Auxílio Emergencial, cestas básicas, frentes de trabalho). A segunda ação é o apoio e estimulo as iniciativas produtivas daqueles que buscarem empreender por conta própria (crédito subsidiado, assistência técnica, menos burocracia, apoio à comercialização, etc.). E, como terceira frente, a adoção de medidas macroeconômicas, que atendam setores específicos da economia, ou o conjunto deles (subsídios, renúncia fiscal, alongamento de prazos, etc.).

Como já se constatou, o governo federal resiste à ideia de oferecer ajuda aos mais pobres e ainda não definiu a extensão do Auxílio Emergencial. Se isso não ocorrer, teremos um período de muitas dificuldades, uma vez que a falta de trabalho e renda levava à fome – e a consequências imprevisíveis, que serão potencializadas pelo tenso ambiente político em que vivemos.

Portanto, no nível estadual, com a ajuda dos municípios, é possível promover as duas primeiras ações sugeridas aqui e parte da terceira. Ou isso ou o caos.

(Dabson Bueno, 36 anos, graduando em administração de empresas, é assessor técnico e especialista em políticas inclusivas.

Comentários