O dia 20 de setembro na história de Porto Velho, Rondônia, Brasil e Mundo

Foto: Divulgação
Anúncio

O DIA NA HISTÓRIA

Lúcio Albuquerque – [email protected]

BOM DIA 20 DE SETEMBRO!

COMEMORA-SE

Dia do Funcionário Municipal (presidente Getúlio Vargas assinou o decreto nº1713/39 criando o Conselho Federal do Serviço Público Civil). Dia do Baterista.
Dia do Engenheiro Químico
Católicos lembram Santo André Kim, Paulo Chong Ha-Sang,
Santa Fausta, Santa Candida Seniori e Santo Eustáquio.

RONDÔNIA

1943 – O presidente Getúlio Vargas assina o decreto-lei 5.839, estabelecendo competências e responsabilidades dos governadores dos Territórios Federais, que há uma semana ele havia criado.

BRASIL

1835 — Início da Revolução Farroupilha.

1896 – Nasce Eduardo Gomes, patrono da Força Aérea Brasileira.

1897 – Nasce Humberto de Alencar Castelo Branco, participante da FEB na Itália, e 26º presidente brasileiro.

1898 — Santos Dumont realiza o 1º voo de um balão com propulsão própria.

1935 – Nasce Orlando Peçanha de Carvalho, zagueiro da seleção brasileira campeã mundial de 1958. 1960 – Inaugurada a TV Cultura, em São Paulo.

MUNDO

331 a.C. — Alexandre, o Grande inicia a travessia do rio Tigre para enfrentar o Império Aquemênida.

1519 — Fernão de Magalhães inicia a primeira viagem de circum-navegação.

1378 — Período chamado “Cisma Papal ou Grande Cisma”, que termina em 1418 no “Concílio de Constança”.

1946 — Em Cannes (FR) acontece o Festival de Cinema.

1990 – Reunificação da Alemanha 45 anos depois da II Guerra Mundial

2005 – Morre Simon Wiesentahl, sobrevivente do campo de concentração Birkenau e o mais famoso caçador de nazistas.

FOTO DO DIA

Acostumado a enfrentar ou participar de revoluções, como a que o conduziu à Presidência da República em 1930, o presidente Getúlio Vargas repete a famosa cena de Hamlet, quando o personagem segura uma caveira e se autoquestiona: “Ser ou não ser…”. Cercado por um assessor particular (de paletó) e vários oficiais do Exército, sem querer Getúlio repete a cena shakespeariana, na tentativa de saber como seria possível abrir um coco que os amazônidas chamam de “ouriço” da castanha do Brasil (bertholletia excelsa). Talvez na ocasião ele poderia estar pensando sobre a razão que o levara a prolongar por quase três dias a vinda à acanhada Porto Velho em 1940, quando a previsão era de três horas. Sem encontrar explicações dos que o cercavam, mas que apenas para demonstrar conhecimento devem ter dado várias sugestões, Getúlio, como faria mais de 30 anos depois o showman Sílvio Santos, dando a seus convidados o direito de chamar “os universitários” – no caso Getúlio deve ter chamado o dono da casa, um sítio à altura do KM 8 da BR-364 sentido Candeias, que resolveu conforme se sabe a maneira de abrir o ouriço.


Fonte: Lúcio Albuquerque

Deixe seu Comentário