PCDF indicia professor que pediu texto sobre “boquete” e “69”

O docente foi indiciado por um crime previsto no ECA, que consiste em submeter menores sob sua autoridade a vexame ou a constrangimento

Foto: Divulgação

A Polícia Civil do Distrito Federal concluiu a investigação sobre o professor de português do 6º ano do Centro de Ensino Fundamental (CEF) 104 Norte Wendel Santana, 25 anos. Após ouvir pais e adolescentes, a 2ª Delegacia de Polícia (Asa Norte) relatou o caso e indiciou o docente por um crime previsto no Estatuto da Criança e do Adolescente (ECA), que consiste em submeter menores sob sua autoridade, guarda ou vigilância a vexame ou a constrangimento. O caso, agora, segue para o Ministério Público do DF e Territórios (MPDFT), que pode arquivá-lo ou oferecer denúncia ao Judiciário, iniciando o processo penal.

O caso foi revelado pelo Metrópoles, e o professor foi desligado da rede pública de ensino. Em sala de aula, Wendel ensinou sobre sexo aos alunos do 6º ano. Na ocasião, também pediu aos estudantes que produzissem uma redação improvisada sobre o tema e escreveu no quadro algumas palavras inadequadas para sala de aula: “boquete”, “69”, “fio terra”, “punheta”, “dar o cu”.

À reportagem, os responsáveis por estudantes disseram que o profissional, que tinha sido contratado temporariamente pela Secretaria de Educação, deu “show de horrores” em sala de aula. O crime tipificado pela PCDF está inserido no artigo 232 do ECA e tem pena prevista de detenção – de 6 meses a 2 anos.


Fonte: Metrópoles