Empresa de Brasília vem para moralizar sistema de fornecimento de alimentação do HB em Rondônia

A UNOPS – escritório das Nações Unidas especializado em compras e infraestrutura – está na frente de mais um grande empreendimento em Rondônia.

Foto: Divulgação
Anúncio

Após cooperar com o Estado na entrega de medicamentos para o Covid-19, o escritório agora é o responsável pela moralização do sistema de fornecimento de alimentação do Hospital de Base.

É a Unops que fará a contratação da empresa responsável pelo serviço das refeições do maior hospital do Estado, situado em Porto Velho. O estado está rescindindo o contrato da empresa responsável pelo serviço, a Nutrimax, que vem deixando a desejar e, sendo alvo de inúmeras críticas por parte de servidores por causa da comida de ´gosto duvidoso´.

Para acabar com essa verdadeira insegurança alimentar, o Estado procurou o know-how de uma empresa séria e que possui inúmeros trabalhos reconhecidos mundialmente e com experiência em gestão de projetos com experiência na área da saúde.

A Unops é o braço direito da SESAU/RO na contratação e gestão de nutrição, higienização, lavanderia, coleta de resíduos hospitalares, vigilância e recepção para o Hospital de Campanha de Rondônia (antiga Maternidade Regina Pacis) que é especializado no tratamento da COVID-19.

“O que o Estado busca hoje é eficiência e parceria com empresas ou instituições que dão retorno ao invés de prejuízo aos cofres públicos. A Unops tem dado à Sesau o retorno e tem sido uma parceira de primeira hora nesses tempos de pandemia e poucos recursos”, revelou um executivo da secretaria.

A posição da SESAU reforça cada vez mais a ideia da administração em colocar de escanteio grupos empresariais e suas empresas de fachada que atuam no ramo alimentício que prestam serviço ao Estado, mergulhadas em escândalos, e não raras vezes figurando como chefes de esquema no setor público.

É um setor que chama muita atenção porque é muito rentável, e que tem levado alguns de seus operadores para a cadeia por falta de lisura. A SESAU já começou sua transformação e a próxima será a SEJUS – que anda tendo certa dor de cabeça com a briga interna de fornecedores de refeições para os presídios.


Fonte: Brasil364

Deixe seu Comentário