Gruta em São Paulo que desmoronou e matou nove pessoas será periciada

Resgate das dez vítimas do desmoronamento na Gruta Duas Bocas, em Altinópolis, no interior de São Paulo, foi concluído neste domingo (31/10)

Foto: Divulgação
Anúncio

A gruta onde nove pessoas morreram soterradas após desmoronamento do teto em Altinópolis, no interior de São Paulo, vai passar por perícia nesta segunda-feira (01/11). Nesse domingo, foi concluído o resgate de dez pessoas que foram soterradas na Gruta Duas Bocas, em Altinópolis.

Apenas uma pessoa foi resgatada com vida e encaminhada para o pronto-socorro da região. Os corpos das demais nove vítimas do acidente foram encaminhados para o Instituto Médico Legal (IML). O desmoronamento na caverna aconteceu na madrugada deste domingo (31/10), entre 2h e 3h30.




Um grupo de 26 pessoas estava na gruta fazendo um treinamento de bombeiros civis para resgate em caverna, pela escola Escola Real Life, quando o teto da gruta desmoronou.

Operação de resgate

Os trabalhos para resgate das vítimas começaram ainda no início da madrugada e chegaram a mobilizaram 75 agentes do Corpo de Bombeiros. Também participaram do salvamento o Grupo de Atendimento em Emergência e Desastre (GEAD), a Polícia Militar local, incluindo equipes do Canil, e o Comando de Aviação da PM (CavPM) com duas aeronaves.




Técnicos especialistas em resgate da Coordenadoria Estadual da Defesa Civil e um geólogo do Instituto de Pesquisas Tecnológicas (IPT) também participaram do salvamento.
➡ Quatro mortes são confirmadas no desmoronamento de gruta em São Paulo.

O acesso ao local conhecido como Gruta Duas Bocas, próxima à Gruta de Itambé, ponto turístico na região rural da cidade, é normalmente difícil, mas para complicar a situação chovia durante os trabalhos de resgate. Foi aberta uma clareira para que dois helicópteros Águia da Polícia Militar pudessem acessar a região.

Bombeiros civis

Um grupo de 28 pessoas estava na gruta fazendo um treinamento de bombeiros civis para resgate em caverna, pela escola Escola Real Life, quando o teto da gruta desmoronou.

De acordo com a proprietária e sócia da Escola Real Life, de Ribeirão Preto, Tainá Pereira, a empresa opera há nove anos e nunca havia registrado um acidente.


Fonte: Metrópoles

Deixe seu Comentário