Irmã de Eyder Brasil, o deputado ”que não faz conchavos”, não tem sequer um ano de comissionada no Governo de Rondônia e já está de férias

Elissandra Brasil do Carmo ganha um salário de R$ 16.883,65 na Sociedade de Portos e Hidrovias do Estado de Rondônia (SOPH)

Fotos: Divulgação
Anúncio

O deputado Eyder Brasil, do PSL, disse recentemente em vídeo que não é adepto a conchavos.

Aparentemente, há exceções. Sua irmã, Elissandra Brasil do Carmo, foi admitida no dia 06 de fevereiro de 2019 na Sociedade de Portos e Hidrovias do Estado de Rondônia (SOPH), órgão que integra a administração indireta do governo de Coronel Marcos Rocha (PSL).


Ela sequer completou um ano na função comissionada onde recebe no mínimo R$ 16.883,65 por mês, isto sem contar o adicional de periculosidade, que acresce mais 30% do bruto aos vencimentos, e o auxílio-alimentação, de R$ 1 mil.

Somando de fevereiro a dezembro levando em conta só o salário-base e subtraindo décimo terceiro, do Carmo, a irmã de Eyder, embolsou pelo menos R$ 185.720,15.

A redação tentou descobrir como a familiar do parlamentar conseguiu resolver a questão do ponto, vez que ela, em tese, não estaria apta a tirar férias, ao menos legalmente falando.

  

O Brasil 364 buscou contato com a SOPH a fim de saber se o órgão pretende custear os dias não trabalhados ou se há algum acordo interno cujo público desconheça.

Até o fechamento da reportagem, não houve retorno.

O site deixa o espaço aberto a eventuais manifestações dos citados, incluindo o diretor-presidente da SOPH Amadeu Hermes Santos da Cruz, responsável pela liberação de Elissandra do Carmo às “férias antecipadas”.

Com a palavra, o Ministério Público do Estado de Rondônia (MP/RO) em nome do procurador-geral de Justiça Aluildo de Oliveira Leite, e o Tribunal de Contas (TCE/RO), hoje presidido pelo conselheiro Paulo Curi Neto.


Fonte: Brasil364/SamuelCosta