Rússia cerca Ucrânia com manobras militares na véspera de negociação

O presidente russo busca uma solução para a guerra civil iniciada em 2014

© Getty Images
Anúncio

Na véspera de uma reunião com a Ucrânia, a Alemanha e a França para buscar uma saída para o conflito com Kiev, a Rússia anunciou uma nova rodada de manobras militares que ameaçam as fronteiras de seu vizinho.

Assim, haverá de forma concomitante três exercícios com tropas e aviões ocorrendo em flancos distintos da Ucrânia, reforçando o lembrete de Vladimir Putin acerca do que ele poderia fazer para impor sua vontade de deixar Kiev fora das estruturas militares do Ocidente.

O presidente russo busca uma solução para a guerra civil iniciada em 2014, quando um golpe tirou o governo pró-Kremlin do poder e levou Putin a anexar a Crimeia e fomentar o conflito no Donbass (leste do país).

Cerca de 14 mil pessoas já morreram, e o caráter inconcluso da questão escamoteia o interesse agora deixado claro por Moscou, que é de evitar que tropas da Otan cheguem ainda mais à sua fronteira –hoje, isso ocorre apenas na ínfima faixa entre Rússia e os três Estados Bálticos, todos ex-repúblicas soviéticas admitidas em 2004 à Otan.

A reunião que ocorrerá em Paris vai reeditar o formato que desenhou os dois acordos de cessar-fogo do Donbass, em Minsk (Belarus), em 2014 e 2015. Por eles, haveria autonomia aos secessionistas no leste, mas controle de Kiev. A elite ucraniana por fim não topou os termos.

Ela será em nível diplomático. O presidente francês, Emmanuel Macron, afirmou que vai falar ao telefone com Putin na sexta (28) para “esclarecer” as intenções russas.

Enquanto isso, o Ministério da Defesa russo disse que 6.000 soldados e 60 aviões foram posicionados para exercícios de ataque a longa distância na Crimeia e ao longo da fronteira oeste com a Ucrânia. Já estão em curso ações conjuntas com a aliada Belarus, ao norte de Kiev.

Uma olhada no mapa explicita a questão, com as forças russas cercando toda a porção leste da Ucrânia. No caso das aeronaves, chama a atenção o uso de caças-bombardeiros táticos Su-34, um avião especializado em ataques a solo sob condições hostis que já viu ação na Síria.

Haverá também exercícios com tiro real na Crimeia, com tanques modernizados T-72B3 da Frota do Mar Negro. Ao todo, estão mobilizados de 100 mil a 175 mil militares em diversas regiões com acesso à Ucrânia, um processo que começou em novembro.

Putin nega que planeje uma invasão, total ou parcial, apesar dos sinais e das advertências ocidentais. A Otan, que só defenderia automaticamente a Ucrânia se ela fosse um membro efetivo do clube, reforçou posições de forma simbólica.

Já o presidente americano, Joe Biden, teve de explicar que a mobilização de 8.500 soldados para eventual envio à Europa não inclui planos de colocá-los na Ucrânia, como de resto seria óbvio. Mas o burburinho que já afeta o mercado financeiro demandou um esclarecimento por parte da Casa Branca.

De olho em um efeito colateral econômico, que é a dúvida acerca do fornecimento de gás russo para a Europa, onde 40% do consumido vem do país de Putin, os EUA também pediram para que o Kremlin não usasse o produto “como uma arma”.

Os EUA deverão enviar a Moscou sua resposta por escrito às demandas russas, que incluem pontos como controle de armamentos e verificação de exercícios militares mútuos. Sob Donald Trump, os EUA deixaram 2 dos 3 tratados de contenção de armas nucleares em vigor com a Rússia, elevando suspeitas no Kremlin.

Nesta terça, um avião com produtos militares americanos desembarcou em Kiev, fazendo parte de um pacote de ajuda de US$ 200 milhões ofertado pelos EUA ao governo, com mísseis antitanque Javelin à sua frente.

Na Ucrânia, com informes de que novas embaixadas de países da Otan, como o Canadá, seguiram os EUA e pediram para as famílias dos seus funcionários deixem Kiev. O presidente ucraniano, Volodimir Zelenski, chamou cadeia nacional de rádio e TV para dizer que o movimento não significava guerra iminente.

“Não há ilusões infantis, as coisas não são simples, mas há esperança”, disse.


Fonte: FOLHAPRESS

Deixe seu Comentário